O Mito da Super Mãe – Quem disse que precisamos sempre ser Super?

O Mito da Super Mãe – Quem disse que precisamos sempre ser Super?

Estou parada no meio da sala com meu filho recém-nascido num braço e a escova de dentes na outra mão. A escova não é minha. É da minha filha de 3 anos que continua sentada no sofá da sala se negando a ir pra cama. Estou pedindo encarecidamente para ela escovar os dentes para ir dormir enquanto meu filho chora sem parar nos meus braços.

Sim, estou tentando não deixar ele cair no chão e também tentando colocar minha filha na cama. Estou cansada depois de um dia longo de coisas que tive que fazer. Se pelo menos um dos dois fosse pra cama, tudo ficaria mais fácil… Mas eu sei que meu filho precisa mamar. Ele está com fome. E é verdade que eu poderia muito bem pedir para meu marido me ajudar com a minha filha, mas eu estou decidida a fazer tudo sozinha droga!
Eu consigo muito bem dar de mamar e escovar os dentes da minha filha ao mesmo tempo, não é?

Se você é mãe e está lendo isso, com certeza já caiu nessa armadilha alguma vez. A armadilha do: Eu posso fazer tudo. Eu sou mãe. Sou professional. Sou tudo o que significa ser mulher. Sou uma leoa!
Poucas de nós não caíram nesse papel de Super Mãe em algum momento ou até mesmo todos os dias das nossas vidas.

Por que será?

Por que há tantas mães que se negam a pedir ajuda quando realmente precisam?

Acredito que seja basicamente por dois motivos….

Os dois motivos pelos quais nos auto-declaramos Super Mães

O primeiro motivo é pessoal.

Eu por exemplo, não gosto de pedir ajuda. Minha independência e desenvoltura perante a vida são uma fonte de orgulho para mim. E mesmo não sendo contra colaborar para o sucesso das outras pessoas, não gosto de colocar nas mãos de ninguém o meu próprio sucesso. Isso é meu, da minha personalidade.

A segunda razão é um pouco maior e mais profunda.

As mulheres trabalharam muitos e muitos anos para provar para todo mundo que são iguais aos homens. Isso nem deveria ser necessário, mas para ter acesso aos mesmos benefícios que os homens (que por sinal ainda não estamos recebendo totalmente), as mulheres foram muito além para demonstrar que suas habilidades são as mesmas ou até melhores do que as deles.

Fomos tão além em nossa evolução social que agora, demonstrar uma gota de fraqueza, pode fazer com que todo o progresso que tivemos seja arrancado de nós de uma só vez.
Ainda sentimos esse tipo de preconceito velado em algumas situações.
Sempre que uma mulher pede ajuda, principalmente em situações profissionais, um simples pedido pode ser interpretado como um sinal de fraqueza ou incapacidade.
Como mãe, essa sensação  fica ainda mais forte

A maternidade raramente é considerada um trabalho. Se você é mãe e dona de casa por exemplo, a percepção externa é de que você só está criando e cuidando dos seus filhos. Como você não recebe um salário por isso, você não está contribuindo para a sociedade. Só lidar com as tarefas do dia a dia, fazer comida para seus filhos, levar na escola, no médico, na natação e limpar a casa não constituem o que consideram um trabalho . Pelo menos não tanto como alguém que é empregado com um salário em uma empresa.

Se você é uma mãe que trabalha em casa, você lida com a realidade de conseguir passar mais tempo com seus filhos e precisar fazer e entregar o seu trabalho. Obviamente, esperam que você entregue um trabalho de qualidade enquanto ao mesmo tempo cria filhos “normais” que não fiquem grudados na televisão ou no tablet 24 horas por dia, que amem estar ao ar livre e que sejam capazes de se entreter sozinhos por horas a fio com potes, tampas, panelas, um rolo de barbante e canudinhos.

Mães Executivas encaram outra realidade de tentar fazer tudo sendo mães e profissionais. As reuniões, as viagens, os pediatras, as poucas horas com os filhos e os happy hours.

Nenhuma mãe está excluída do mantra “Eu posso e preciso fazer e ser TUDO”.

Ultimamente aprendi que pedir e ACEITAR ajuda é uma parte muito saudável no papel da maternidade. Não sou Super Mãe. Nenhuma de nós é, mesmo quando algumas parecem ter mais poderes do que outras em todas as tarefas diárias.

Melhorei muito em começar a pedir ajuda, principalmente quando percebo que tentar fazer 5 coisas ao mesmo tempo é muita coisa e que provavelmente nenhuma delas vai ficar bem feita.
Estou melhorando em dizer “Sim, por favor” e “Obrigada” quando aceito ajuda de outras pessoas. Estou tendo mais coragem para levantar a mão e pedir.
Meu velho impulso de Super Mãe às vezes volta, como nesse dia que tentei dar de mamar e escovar os dentes da minha filha ao mesmo tempo.

Mas a maioria dos dias, estou aprendendo que pedir ajuda não me enfraquece, mas sim me fortalece.
Porque afinal, até mesmo os maiores super-heróis não fazem tudo sozinhos. Todos eles tem um Alfred, um Dumbledore ou até mesmo uma liga de super-amigos que eles podem contar para resolver os problemas e combater o mal.

Ser uma Super Mãe também é saber com quem você pode contar. É saber pedir ajuda de forma consciente, antes do gato subir no telhado. É não se cobrar por estar pedindo.

E certifique-se de devolver o favor quando alguma amiga mamãe precisar. Somos melhores e mais fortes quando ajudamos umas as outras.
Todo mundo precisa de ajuda em algum momento da vida. E não deveria haver vergonha nenhuma em pedir ajuda quando você precisa.

Pense nisso.
Feliz dia da Mulher!

Traduzido e adaptado por Ana Paula Fragoso – Mães Executivas

Post original escrito por Naomi Gottlieb-Miller para o site Mindful Return – Leia aqui

5 passos para superar emoções negativas

5 passos para superar emoções negativas

Quando comecei a trabalhar a atenção plena, comecei a ter total consciência dos meus pensamentos e ações. Pude começar a analisar meus pensamentos, as emoções negativas e positivas que eles geravam e as ações que derivavam desses sentimentos. Mesmo sabendo que a atenção plena ensina você a ser expectador dos seus pensamentos, é muito difícil realmente não sentir os efeitos do que estamos pensando.

Se estamos felizes e temos muitos pensamentos positivos, teremos um bom dia. Se estamos um pouco pra baixo, os pensamentos começam a ser mais duros e negativos, nos deixando cada vez mais para baixo.  Mindfulness nesse momento é bastante útil porque você consegue isolar o pensamento e saber que é só isso: um pensamento. Mas como ainda sou iniciante nessa prática, ainda tenho dificuldade em lidar com o que chega de negativo. Fico ainda mais ansiosa porque ao isolar o pensamento, me julgo por tê-lo pensado e entro em uma espiral longa de pensamentos negativos. É muito comum nos sentirmos assim e mais comum ainda nos rendermos a esses pensamentos e começar a acreditar neles como sendo a verdade.

Quando a mente nos bombardeia de coisas negativas e perguntas que nos fazem duvidar de nós mesmas ou fazem com que sintamos raiva, medo ou tristeza de alguma coisa que estamos passando naquele momento, é preciso ter a coragem de superar essas emoções. Por mais desagradáveis que sejam esses sentimentos, eles nos servem como informações valiosas sobre nós mesmas, sobre nossa situação atual e a necessidade de entrar em ação. Sem essas emoções negativas estaríamos totalmente indefesas nesse mundo.

5 passos para superar suas emoções negativas

Por isso, mesmo desejando ser sempre positiva, é mais saudável reconhecer as emoções negativas, estar atentas ao seu significado e gratas pelo serviço que estão nos prestando.

Emoções e pensamentos negativos têm um imenso potencial de transmutação positiva.

1. Não lute contra as emoções negativas

A verdade é que tudo o que você luta contra sempre torna-se mais forte. Imagine que seus sentimentos e pensamentos mais negativos são pequenos monstros que querem sua atenção a todo custo, você sabe que mandá-los calar a boca só vai enfurecê-los ainda mais. Mesmo se você conseguir silenciar esses monstros, só por hoje, da próxima vez eles estarão mais fortes e inclusive podem voltar com muito mais força.

2. Ouça a mensagem

Por que você está com raiva, medo, preocupação? Talvez seja uma situação ou uma pessoa em sua vida que está prejudicando você. Neste caso, é importante ter gratidão de que a sua mente soe os alarmes para te lembrar de se proteger contra isso. Muitas vezes as emoções negativas são simplesmente uma chamada à ação. Aproveite esses impulsos para criar uma onda de abundância e melhoria para si mesma de uma maneira responsável.

3.Tente encontrar a origem da emoção negativa

Às vezes uma situação atual lembra seu subconsciente de um conflito passado, e você entra em modo de defesa mesmo estando em um ambiente e situação seguros. Pergunte-se a si mesma se suas emoções correspondem à situação que está se apresentando, ou se elas são na verdade o resultado de suposições, preconceitos e lembranças ruins de seu passado. Se sim, não se julgue. Deixe sua mente à vontade e agradeça por ela ser tão vigilante. Permita-se relaxar e reavalie a situação.

4. Identifique se as emoções são externas à você

Às vezes, inconscientemente, absorvemos dos outros sentimentos e pensamentos. Isso acontece muito com familiares, amigos e pessoas próximas à nós, onde os padrões comportamentais, as ideias e crenças são perpetuados através da repetição e da imitação. Se não fosse assim, os seres humanos não poderiam formar e nem viver em sociedade, mas também esse mecanismo pode nos prejudicar algumas vezes.

Tente entender se o seu desagrado em relação a alguém é resultado de uma conversa negativa que você ouviu, ao invés de suas próprias interações com essa pessoa. Examine se os seus medos vêm de sua própria experiência, ou de experiências negativas de outra pessoa. Para se libertar dessas emoções que não são suas, forme sua própria opinião sobre o assunto justamente focando no sentimento que gera em você.

5. Pare de se Justificar!

É importante não “congelar” suas emoções se justificando eternamente. Se justificar para si mesmo é a forma mais comum de ignorar o que precisamos fazer depois que conseguimos metabolizar e entender os sentimentos e pensamentos negativos. Ser honesta consigo mesma é muito assustador,  e mais assustador ainda é conseguir mudar os hábitos emocionais que temos enraizados e talvez escondidos em nós por muito tempo. Mesmo assim, ambos são necessários para nosso aprendizado e cura.

Com a ajuda dessas 5 estratégias, você vai gradualmente se conhecer melhor e com certeza se amar mais. Nossas emoções são nossas fiéis escudeiras.

É quando nós as julgamos e as suprimimos, que elas irão nos atormentar até que a mensagem que carregam seja claramente transmitida.

O melhor que podemos fazer é ouvir imediatamente.

5 Motivos para Empresas Contratarem mais Mães

5 Motivos para Empresas Contratarem mais Mães

Chame de machismo, paternalismo, diferença de gêneros, injustiça social… a verdade é que homens e mulheres não são iguais e a sociedade ainda não deixa isso barato! Por mais que idealizemos o conceito, a igualdade de gêneros está longe de se concretizar da forma que imaginamos ser possível, e juro, às vezes me pergunto se realmente algum dia será possível sermos “iguais”.

Ser Mãe não é igual a ser Pai. Não estou dizendo que um é melhor que o outro, só estou dizendo que é diferente. Da mesma forma que ser Mãe é diferente de não ser Mãe. Mulheres no mercado de trabalho que hoje ainda não são Mães, em alguns casos são tratadas diferente das mulheres que estão no mercado de trabalho e são Mães.

Resumo é que o mercado de trabalho não dá trégua e apesar de vermos algumas ações nas empresas, essas iniciativas ainda são muito tímidas se comparadas a outros países do mundo.

O preconceito ainda existe e muitas vezes ele é velado, fazendo as mulheres sofrerem em silêncio e sem muitas formas de combatê-lo. A crença de que uma executiva sem filhos chega mais longe, tem mais oportunidades e é mais bem quista no meio corporativo gera ansiedade nas mulheres, postergaçãoa maternidade e quando ela chega, muitos sentimentos negativos como: culpa, medo e crise de auto confiança.

Por isso é tão importante conscientizar as Mães Executivas e principalmente gestores de empresas, quão incríveis somos, justamente por sermos Mães. Já passou a hora de saberem o que significa ter uma Mãe trabalhando para eles:

Mais Resultados em Menos tempo

Conseguir fazer mais coisas em muito menos tempo é uma habilidade que vem colada na maternidade. Depois dos filhos vemos nossa lista de tarefas se encher de coisas que antes simplesmente não estavam lá. E de um jeito ou e outro, sempre damos conta do recado.  Ao voltar ao trabalho já somos Phd em organização e produtividade. Sabemos priorizar e focar em soluções. Nossa visão Macro fica muito mais apurada e isso nos ajuda a enxergar o que realmente é um problema e o que não é. Um excelente talento para qualquer empresa.

Somos Multitarefa

Temos a nossa capacidade de ser multitarefa multiplicada por mil. Nosso cérebro é capaz tocar quantos projetos forem necessários com a mesma competência e organização. E ainda temos o bônus de não querer perder tempo, já que também temos nossas tarefas em casa e precisamos entregar nossos resultados. Conseguimos ter rodando ao mesmo tempo, projetos do trabalho, aniversário dos filhos, organização da casa e o menu da semana.

Quando precisam de nós, ali estamos.

Pelo simples fato de entender quanto somos necessárias em nossos diversos papéis, somos totalmente acessíveis. Whatsapp, Email e celular são uma extensão de nosso corpo e conseguimos estar presentes, mesmo que de forma remota, nos projetos que realmente importam. Flexibilizar nossos horários não afeta o alcance de nossas ações, já que o que nos baliza diariamente é o comprometimento com tudo o que escolhemos para estar ao nosso redor.

Ao ser Mães, somos naturalmente Líderes

Integridade, empatia, saber ouvir, saber delegar, ser responsável pelos próprios atos, se comunicar bem, ter coragem e honestidade – são algumas das habilidades de um bom líder e também das Mães. Educar e criar uma criança nos eleva a níveis altíssimos de conhecimento do comportamento humano, além de uma carga extra de empatia, integridade e responsabilidade. Sabemos nos colocar nos momentos corretos, ter jogo de cintura e delegar o que pode ser delegado. Todas habilidades procuradas por inúmeros recrutadores por aí!

Promovemos uma mudança de mentalidade

Nossa nova situação – Mães Executivas – gera novas formas de trabalho que podem ser muito positivas para quem também não tem filhos. Home office, horários flexíveis, políticas de apoio ao funcionário são todas portas que foram abertas por Mães no mercado de trabalho. É por causa da necessidade de conciliar vida pessoal e trabalho, que as empresas começaram a prestar atenção em políticas de apoio familiar. Ter uma Mãe trabalhando em sua empresa envia uma mensagem positiva de que aí é um bom lugar para se trabalhar e isso faz com que os funcionários valorizem ainda mais o trabalho. Funcionário feliz = Empresa Feliz = Ganha/Ganha

Então, se você é do RH ou gestor de departamento ou dono de empresa, lembre-se disso quando for contratar uma Mãe.

Somos MUITO, mas MUITO mais do que o mercado de trabalho nos dá crédito!

Mindfulness – 4 Exercícios Simples para Mães que não tem Tempo

Mindfulness – 4 Exercícios Simples para Mães que não tem Tempo

O mundo das Mães Executivas é cheio de desafios que colocam nosso equilíbrio emocional à prova, todos os dias. Eu vivo essa realidade e não é sempre que consigo manter o meu equilíbrio. Ainda preciso um grande esforço mental e muito treino para chegar em um estado emocional desejável quando o dia-a-dia me sobrecarrega.

Muitos dos resultados que obtive vieram através da prática da Atenção Plena. O famoso Mindfulness.

Eu sei que você já ouviu falar muito sobre isso. E sei que você imagina que isso é para quem tem tempo e um lugar imaculado para se sentar, acender um insenso, fechar os olhos e meditar por uma hora, todos os dias. O que é praticamente impossível em nossas vidas de Mães Executivas, a não ser que você esteja disposta a levantar antes das 6 da manhã – Eu sei que eu não estou!

Meditar é muito bom e eleva muito nossos níveis de tranquilidade e paz. Mas meditar requer disciplina, força de vontade e tempo. Coisas que talvez, hoje, você não tenha….

Mas e se eu te disesse que existe uma forma mais simples, rápida e que requer só viver seu dia como ele é hoje?

Meditar não é sentar de pernas cruzadas numa paisagem paradisíaca e fechar os olhos por uma hora. Meditar é PRESTAR ATENÇÃO. Sim, simplesmente isso.

Imagine que hoje, tudo o que você faz é automático. Trabalhar, dirigir, comer, tomar banho, escovar os dentes…

Já se perguntou por que curtimos e precisamos tanto das férias? Ou por que nos marca tanto uma “nova experiência” ou “fazer alguma coisa diferente”?

Gostamos dessas mudanças porque saímos do automático. Temos que PRESTAR ATENÇÃO naquilo que estamos fazendo e isso nos dá prazer, paz e tranquilidade.

 

Como fazer então para mudar nossa mente sem depender só das férias? Ou só da prática da Meditação tradicional?

Abaixo coloco 4 exercícios simples que você pode fazer diariamente para iniciar a prática do mindfulness na sua vida.

São momentos que já estão ali e que você pode escolher SÓ PRESTAR ATENÇÃO. Comece agora mesmo, com o que estiver fazendo!

Banho dos Sentidos

Tomar banho pode ser um momento de fazer sua lista de afazeres do dia, mas pode também ser um momento para praticar atenção plena.

Abra o chuveiro e ESCUTE o barulho da água caindo. Quando entrar no chuveiro, SINTA o calor da água no seu corpo, o caminho que ela percorre até chegar aos seus pés. Sinta o CHEIRO do shampoo ou do sabonete e tente descreve-lo na sua mente: é doce, cítrico? Você gosta desse cheiro?

Você vai perceber que sua mente vai começar a pensar no seu dia – deixe ela pensar – e retorne ao sentidos. Pegue a toalha – ela está fofinha? sequinha? cheirosa?

Agradeça por esse momento, por ter um chuveiro quente e uma casa.  Pronto. Você acabou de meditar!

Cafezinho Mindfull

Quantos cafezinhos você toma por dia no trabalho? Isso pode ser tudo o que você precisa para passar o dia bem e chegar em casa com disposição!

Levante-se, vá até o café. Antes de pegá-lo, respire profundamente com os olhos fechados e pense: Agora vou tomar meu café.

Pegue o seu café, vá até a janela mais próxima ou qualquer lugar que tenha uma vista externa – olhe para as árvores, pássaros, nuvens, chuva, qualquer natureza que esteja ali naquele momento.

Tome seu café vagarosamente olhando a natureza. Note o movimento das folhas, a cor do céu, o formato das nuvens.

Agradeça esse momento, por ter um emprego, por ter saúde para trabalhar.

Você meditou de novo. Essa meditação pode ser feita várias vezes ao dia, inclusive quando for tomar água.

Almoço Consciente

Não tem hora melhor no seu dia para mais uma prática de mindfulness.

Saia para comer e já no caminho, mesmo se estiver conversando com as amigas, olhe ao seu redor – o céu, as nuvens, os pássaros – sinta o calor do sol, a brisa da tarde. Preste atenção no seu caminhar, no som das pessoas conversando.

Na mesa do almoço – DESLIGUE O CELULAR – e olhe para seu prato. Note a textura da comida, a cor, o cheiro.

Coma e preste atenção no sabor, na sensação de saciedade. Sinta a comida chegar no seu estômago.

Agradeça esse momento e a possibilidade de comer todos os dias.

Fim da meditação.

A Paz na hora de Dormir com as Crianças

Cada família tem seu ritual na hora de dormir.

Pais que dividem a cama com seus filhos, ou que cada um dorme em sua cama. Não importa. Objetivo dessa meditação é só PRESTAR atenção no seu filho – dormindo.

Essa é uma das práticas mais gostosas e gratificantes que tenho em casa com meus filhos. Você pode fazer isso quando se deitar com ele, ou depois que ele já estiver dormindo.

Deite-se com seu filho/a. Respire profundamente. Sinta o cheiro do cabelo dele/a. Escute sua respiração e tente acompanhá-la.

Sinta a maciez de sua pele e a beleza de seus traços.

Agradeça mentalmente por vocês estarem ali, pelo presente que ele/a é na sua vida e pela oportunidade de conseguir estar ao lado dele/a nesse momento.

Pronto… fim da meditação!

Esses são só 4 momentos da sua vida onde você pode implementar a atenção plena. Cada minuto de mindfulness é um minuto que sua mente descansa e pára para se organizar novamente.

Perceba como essa prática te leva a prestar mais atenção no que você pensa e sentir o que está acontecendo em cada um desses momentos. Isso é Atenção Plena. Seja bem vinda!

Se você já pratica Mindfulness, conte para nós como você faz e em que momentos.

 

O que você faz com o seu TEMPO é uma escolha SUA!

O que você faz com o seu TEMPO é uma escolha SUA!

Em uma pesquisa informal que fiz há alguns meses, perguntei às Mães Executivas que área de suas vidas gostariam de mudar para ficarem mais felizes. Todas as respostas demonstraram uma grande vontade de transformação física –  mais saúde e disposição, fazer academia, se movimentar – ou mental – mais espiritualidade, equilíbrio, etc.

No entanto o que me chamou mais a atenção nessa pesquisa foram as repostas da pergunta seguinte:

“O que está faltando nesse momento para que você consiga melhorar essa área da sua vida?”

45% delas respondeu: TEMPO – Sim, lhes falta tempo para respirar, ser feliz no trabalho atual, para ter mais liberdade de escolhas, sair da rotina, marcar a aula de zumba, para ter mais energia para estar com seus filhos, para ter mais saúde…. a lista é longa.

Mais curioso ainda foi perceber que 99% das coisas que elas gostariam de fazer era alguma coisa para ELAS mesmas – TEMPO PARA MIM MESMA.

A pegadinha do tempo é um problema sério. Digo pegadinha porque falamos como se o tempo fosse algo externo à nós, algo que alguém tem que nos dar, algo que é fora do nosso controle…

Eu não consigo ACHAR tempo.

Preciso GANHAR tempo.

Não posso PERDER tempo.

Eu não TENHO tempo.

Quando na verdade o tempo é nosso e está totalmente dentro de nosso controle.

Eu sei que a todas nós somos extremamente ocupadas e que temos muita vontade de fazer um monte de coisas… Mas o que precisamos, em primeiro lugar é ter a vontade de FAZER tempo.

Tempo é uma escolha. É o que você está fazendo agora, nesse momento, nesse minuto da sua vida. É a sua lista de prioridades colocada em ação todos os dias.

Uma lista onde o foco principal deve ser VOCÊ. Sim VOCÊ, sem culpa, sem julgamento, sem medo, sem vergonha. E depois todo o resto. Quando você está bem, as pessoas ao seu redor ficam bem.

Quando sentimos que falta tempo para isso ou aquilo é porque estamos negligenciando alguma ação que internamente é prioridade para nós mas que estamos escolhendo não faze-la.

Fazer exercícios físicos, estudar, começar a correr, ficar mais com meus filhos, ler um livro, escrever, conversar com uma amiga…. é preciso saber suas prioridades.

Nos processos de Coaching do Mães Executivas, trabalhamos muito a questão do tempo, analisando o que você faz, como se sente em relação a essas tarefas. Uma sessão inteira para entender suas dificuldades de FAZER tempo, nos mínimos detalhes

O fato é que quando colocamos as nossas prioridades no radar, de uma forma clara e objetiva, o tempo se multiplica.

Quando começamos a planejar nossos dias considerando as prioridades e entramos em ação, estamos fazendo tempo.

Quando entramos num ciclo virtuoso de satisfação, realização e sensação de “estou conseguindo fazer tudo o que eu queria” transformamos o tempo em nosso aliado.

Faça tempo para você mesma e verá como essa simples atitude vai transformar a sua vida!

Pin It on Pinterest